Grãos & Cereais (Soja | Milho)

A evolução tecnológica das sementes, fertilizantes, defensivos agrícolas, máquina e implementos impulsionaram o potencial produtivo da soja e do milho. Mesmo com o desenvolvimento das práticas agrícolas, produtores, gestores agrícolas e empresariais tem que lidar com diferentes cenários na produção de grãos e cereais. A janela para tomada de decisão na safra é curta e envolve muitos fatores.  O que produzir? Compensa?  Pensando em ajudar empresários do agro a inovarem, a Quanticum criou, adaptou e testou pacote magnético em áreas produtoras de soja e milho. Ajudamos o produtor a manejar seus fatores de produção de acordo com o potencial natural dos solos da sua região, fazenda ou talhão. Nosso objetivo com a implantação do ambiente magnético para grãos e cereais é produzir a maior quantidade possível minimizando custos e impactos no ambiente.

Sua área realmente é homogênea?

Mapeamos e refinamos os ambientes de produção na sua fazenda, talhão ou pivô. Dentro de uma mesma classe textural ocorrem variações tanto do teor quanto da qualidade da argila. Não se deixe enganar, sua área pode não ser tão homogênea. Com a tecnologia Quanticum, você pode identificar a quantidade e qualidade de argila de forma detalhada e com precisão. Mais do que um mapa, o levantamento magnético dos solos da sua área agrega em diferentes práticas de manejo: preparo, plantio, manutenção, colheita e tecnologia de sementes.

Água no desenvolvimento de culturas anuais: demanda hídrica e o potencial do solo

Mesmo com boa qualidade física do solo, equilibrado nutricionalmente e com microbiota ativa, a combinação de falta de chuva e temperatura elevadas afeta o resultado da produtividade de soja e milho. Com as mudanças climáticas, climas atipícos são cada vez mais frequentes, marcados por estiagem, quebra da safra e prejuízos. Tão importante quanto monitorar a ocorrência e distribuição das chuvas por meio de estações, sistemas de monitoramento e mapas, é compreender o potencial de armazenamento de água no solo. Em uma mesma classe textural ocorrem variações no potencial de infiltração e armazenamento de água. O mapa magnético complementa resultados de previsão de chuva e auxilia no planejamento hídrico regional e local. Alocação de tensiômetro, sensores e irrigação setorizada por ambiente magnético. 

 

A necessidade de água da soja e do milho é de aproximadamente 700 mm durante todo ciclo da cultura, atingindo necessidade máxima durante o enchimento de grãos com cerca de 8 mm/dia. A quantidade e qualidade dos minerais presentes na fração argila influência na proporção de microporos no solo. Cerca de 50% da água retida nos solos mais magnéticos, está firmemente retida nos microporos e não está disponível para as plantas. A mineralogia também influência a estrutura do solo. Um solo bem estruturado, geralmente com maior valor magnético, possui maior porosidade total e maior capacidade de retenção de água do que um mal estruturado, menos magnético, ou compactado. Além desses fatores já mencionados, muitos outros afetam a capacidade de armazenamento de água disponível no solo (CAD), incluindo profundidade do solo. A variação magnética do solo é um indicador sensível da presença ou ausência de minerais que afetam o processo de agregação do solo e volume de poros, e por consequência do armazenamento de água. O ambiente de formação de minerais, sejam eles magnéticos ou não, é específico, e tem relação direta com a presença ou ausência de água no solo. Isso torna a técnica ainda mais sensível.

Veja como implantar a tecnologia Quanticum em 3 fases: