Cana-de-açúcar

Os gestores da área de sucroenergia lidam com dezenas de informações diariamente. Qual variedade, qual ambiente, onde plantar, meiosi, MPB, onde colher, dentre outros inúmeros fatores relacionados com o planejamento estratégico, tático e operacional dos canaviais. Foi vivenciando esse universo de informações e dinamismo nas decisões de forma assertiva, que a Quanticum criou e testou diferentes protocolos magnéticos em regiões piloto nos principais canaviais do Brasil. A tecnologia foi criada por pesquisadores e validada por especialistas com experiência na gestão agrícola de canaviais para melhorar a performance agrícola. Já passamos por todas as fases de desenvolvimento: pesquisa, prova de conceito, planta piloto e aplicação tecnológica-comercial. Tecnologia pode ser utilizada dentro ou depois da porteira, ajudando em relatórios de análise de risco e benchmarking da eficácia da gestão agrícola. 

O mapa magnético expressa a qualidade dos minerais da fração argila dos solos, contribuindo para o entendimento da aptidão agrícola e ambiental das terras. Como a tecnologia identifica os minerais com comportamento de nanoímãs naturais do solo, não sofre interferência da umidade do solo, dos adubos e da matéria orgânica. Ela pode ser avaliada em qualquer época do ano via leitura direta no campo em quadriciclos, drones ou outro equipamento terrestre e aéreo. Nossa base de dados já possui mais de 30 milhões de hectares mapeados com a qualidade das argilas na resolução de 30 hectares. Como os ambientes magnéticos são estáveis, um único mapa pode ser utilizado para diferentes planos agrícolas:

Resultados tecnológicos em áreas com cana-de-açúcar mostram o potencial, viabilidade e aplicabilidade da assinatura para:

- identificação de áreas com diferentes potenciais de sorção de fósforo (mais de 300% de variação no potencial de sorção, 200 até 800 mg / kg de fósforo adsorvido em locais com diferentes assinaturas magnéticas);

- variações no potencial de compactação da ordem de 30% em mesmo solo, mas com diferentes composições mineralógicas e assinatura magnética;

- capacidade suporte para vinhaça (m3 / ha) com variações em até 3 vezes;

- variação do potencial de erosão da ordem de 0,2 à 1 tonelada/ha/ano em solos com 80% de cobertura por palha, mas com diferentes assinaturas magnéticas;

- identificação de áreas para aplicação de herbicidas pré-emergentes com variação de até 18 vezes o potencial de sorção em um mesmo solo, mas com assinaturas magnéticas distintas;

- planejamento amostral e coleta de forma estratificada por classe magnética. Esse tipo de amostragem diminui custos da operação de coleta e armazenagem;

- assinatura magnética na quantificação indireta (estimativa) do teor de argila, matéria orgânica e potencial de sorção de fósforo com precisão de 85 a 90%.

 

 

Magnetismo do solo: sustentabilidade na sucroenergia

A tecnologia pode ser utilizada por fornecedores, consultores, líderes, suportes técnicos, coordenadores ou gerentes agrícolas. Queremos agregar na gestão da terra e diminuir riscos. Mais do que complementar tecnologias e processos existentes em andamento, a proposta da Quanticum é melhorar a governança do solo no setor de bioenergia nacional.  Trazemos elementos técnicos sólidos baseados no DNA da terra (mineralogia do solo) para fortalecer a governança do solo no setor sucroenergético, complementando programas e certificação de atividades agrícolas relacionados com a sustentabilidade, como a Certificação BonSucro, Etanol Mais Verde e RenovaBio.

 

 

Veja como implantar a tecnologia Quanticum em 3 fases: 


  

Vídeo